top of page
  • Wiliam e o Mundo

Presidente de Timor-Leste participa da 18ª edição do Fórum de Jeju para a Paz e Prosperidade



Por Gregorio de Sousa, Embaixador de Timor-Leste na Coreia do Sul


A convite de Jeju Fórum, o Presidente timorense e Laureado Nobel de Paz, José Ramos-Horta participou, de 31 de maio a 1 de junho, na 18ª edição do Fórum de Jeju para a Paz e Prosperidade.


O Jeju Fórum tornou-se um espaço de diálogo sobre os grandes desafios com temas regionais e globais como o desenvolvimento sustentável, a digitalização, energias renováveis e a economia verde, segurança alimentar e alterações climáticas.


Na sessão de abertura, como orador principal, o Presidente José Ramos-Horta, defendeu o perdão global de toda a dívida dos países em desenvolvimento, que não são ricos em petróleo ou em outros recursos minerais.


Numa breve intervenção muito crítica em relação aos países ricos e industrializados, Ramos-Horta afirmou que “mobilizaram centenas de milhares de milhões de dólares para salvar os bancos europeus no rescaldo da crise financeira de 2007, 2008. Milhares de dólares foram rapidamente encontrados para a Ucrânia”, mas no entanto, “não houve mobilização para apoiar os países em desenvolvimento amarrados pela dívida externa e pelas consequências drásticas da pandemia da Covid 19”.


Perante centenas de participantes, o Presidente de Timor-Leste afirmou que “países da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) deveriam aumentar para 1% do seu PIB as suas contribuições para a assitência externa ao desenvolvimento”.


O Presidente Ramos-Horta disse que a pandemia da Covid19, assim como desastres naturais e a invasão da Ucrânia pela Rússia, teve e tem consequências desastrosas como o sofrimento e a pobreza da maior parte da população mundial, na Ásia, África e na América Latina. “Os impressionantes ganhos nos últimos anos nas batalhas contra a pobreza perderam-se, dezenas de milhões de seres humanos, incluindo milhões de crianças, foram atirados para as amarras da pobreza extrema”.


Para o laureado Nobel de Paz, Timor-Leste, “é um farol, um porto de segurança, uma luz cintilante de paz e fraternidade”. Apesar de tudo no contexto de vários conflitos, Timor-Leste continua a consolidar a sua democracia, em “paz, tranquilidade, tolerância e inclusão”


O Fórum é uma plataforma de diálogo lançada em 2002, esta é a terceira participação do atual Presidente de Timor-leste, que visa encontrar soluções criativas para a cooperação internacional e debater questões globais com a presença de vários líderes e especialistas mundiais.


O Presidente falou ainda sobre o processo de adesão de Timor-Leste à ASEAN (Associação de Nações do Sudeste Asiático, da necessidade de Timor-Leste cumprir o rodmap aprovado na 42ª Cimeira da ASEAN, que teve lugar em Labuan Bajo, Indonésia, no passado mês de maio.


Segundo o Presidente timorense, “A integração na ASEAN oferece oportunidades para Timor-Leste concretizar objetivos estratégicos de desenvolvimento, investindo em pilares estratégicos que melhorariam significativamente a saúde, a educação e qualidade de vida do nosso povo”.


A margem do Jeju Fórum, o Presidente José Ramos-Horta reuniu-­se com o Governador da Ilha de Jeju, Oh Young-hung, tendo convidado a visitar Timor-Leste, ainda este ano, manifestando interesse em iniciativas de cooperação com Timor-Leste, levantando a hipótese de uma geminação da ilha de Jeju com a ilha de Ataúro, que dista 36km, a norte de Díli.


Teve também encontro com o ex-Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, onde Myanmar foi o tema da conversa, para que se encontre uma solução dentro da ASEAN e que Myanmar aceite a implementação de uma proposta regional de paz.

Comments


bottom of page